Ser mulher, mãe e empreendedora em um mundo de leões

Ser mulher, mãe e empreendedora em um mundo de leões
1 de julho de 2019 Pura Chuva
Em Empreendedorismo materno

Eu sempre fui uma pessoa dedicada aos estudos e ao trabalho, sempre sonhando em um futuro bem tradicional: emprego seguro, família, casa grande, estabilidade. Dentro desses planos estava ser mãe. Minha pequena linda criação nasceu e eu descobri que ninguém nos ensina a ser mãe, o mundo se desmoronou em minha frente, tudo parecia uma violência contra meus instintos, desde o deslumbrante ato de parir, até a difícil tarefa de educar.

Isso é muito chocante quando pensamos no poder inacreditável que é gerar outro ser, como se em algum momento isso tivesse deixado de ser algo importante. Mas pensando de forma bem geral, viver é algo bastante chocante. A vida familiar e todos os relacionamentos são complexos e difíceis, e acredito que isso seja resultado de uma crise muito mais profunda e antiga, que vai se perpetuando de geração em geração. Sem perceber estamos repetindo padrões e vícios dos nossos pais, avós, bisavós, e nós somos responsáveis por mudar o rumo da roda, não podemos ignorar a influência que tantas gerações tem em nosso DNA e nossa consciência espiritual, precisamos admitir que erramos e precisamos mudar.

A mudança está sempre nos chamando e quando esse chamado chega nos transformamos em uma avalanche que não encontra obstáculos para provocar transformações por onde passa. Ou aceitamos a repressão dos leões que acham que somos gatinhas indefesas, ou nos tornamos leoas, guerreiras e um pouco loucas.

O que inspira o seu coração? Qual é a sua loucura? A minha foi empreender em um momento em que me vi mais vulnerável e assustada. Eu tinha criado um ser totalmente dependente de mim e eu precisava continuar criando, transformando tudo o que meu coração encontrasse pela frente. Enfrentar medos que nunca pensei que teria, enfrentar a vida com mais garra do que antes.

Mudei de rumo várias vezes, abracei infinitamente mais coisas do que poderia suportar, assumi as consequências das minhas escolhas, de todos as desconstruções que vivi, errei muito, muito mesmo, mas cresci. Nunca pensei que viveria algo tão desafiante e transformador, e viveria tudo de novo.

A cada dia mais, sinto que empreender sendo mulher e mãe é um ato de coragem, de amor, de libertação, de esperança. Empreender pra mim tem sido um ato de revolução que grita com todas as forças que somos capazes de tudo e que não aceitamos um mundo onde nossos instintos não sejam valorizados.

Quando ouço relatos de mães exaustas e desamparadas, sinto uma enorme sensação de impotência que logo se transforma em mais coragem para caminhar. Trabalho por cada uma de nós que não tenha a mesma possibilidade de mudança, por cada mulher violentada, desencorajada e cansada demais para transformar a sua vida. Apoiamos todos os movimentos de revolução e reconhecimento do feminino como sagrado, porque uma mulher que consegue superar seus limites e encontrar uma chance de praticar suas potencialidades, é uma mulher que vai mudar tudo ao seu entorno.

Hoje já é fato que as mulheres empreendedoras que conseguem ter sucesso em sua empreitada tem a tendência de devolver à sua comunidade tudo aquilo que receberam, elas não guardam pra si, não acumulam, apenas compartilham suas vitórias. Precisamos incentivar essa coragem que pode nascer com a maternidade, ou que pode ser fruto da decepção que é conviver com um sistema tão machista e patriarcal.

“As mulheres podem melhorar o mundo” foi tema inspirador de Ana Lucia Fontes para mudar o rumo das coisas através do empreendedorismo, e assim é, nós podemos mudar o mundo, inspire-se!